Recentemente, o estado nutricional de atletas de futebol se tornou uma grande preocupação para treinadores, preparadores físicos, médicos, fisiologistas e nutricionistas. O estado nutricional e o nível de desempenho do atleta nos treinamentos e partidas oficiais destacam a importância do Nutricionista dentro da comissão técnica. Com isso, a Associação Desportiva Jequié (ADJ) passou a incluir nutricionista na sua equipe técnica, profissional focada em tudo o que os atletas comem ou deixam de comer – uma tarefa que exige total comprometimento dos envolvidos.

Antes e depois dos treinos os jogadores da ADJ precisam passar pela nutricionista Adriana Nascimento. É ela quem regula os suplementos entregues a cada atleta, todos devidamente registrados em sua planilha de controle. “Aqui a marcação serrada não é da zaga, mas da Adriana”, comenta Camilo Barbosa, vice-presidente do clube.

O profissional nutricionista, sabendo da influência direta da alimentação com o rendimento esportivo, se atenta a diversas estratégias visando os mais diferentes objetivos, sendo essencial dentro de uma equipe multidisciplinar. O bom desempenho de um atleta está ligado a muitos fatores, mas um dos mais decisivos é a alimentação. O papel do nutricionista é justamente equilibrar a alimentação, a fim de promover um alto desempenho.

“Elaboro todo o cardápio e os suplementos dados em cada tipo de treino”, explica ela, insistindo na necessidade de conversar periodicamente com os atletas para conscientizá-los da importância da alimentação. “Organizo palestras para que eles entendam tudo. O trabalho de nutrição é um trabalho de repetição. Mais do que uma possibilidade para o atleta, essa é uma área de atuação que pode ser o grande diferencial da carreira deles”, diz Adriana.

No futebol, esporte coletivo mais praticado no mundo, a preocupação com a nutrição e hidratação deve ser em fornecer ao atleta o aporte energético e os nutrientes necessários para garantir o desempenho, assegurar o peso ideal, recuperá-lo o mais rapidamente de traumas e lesões eventualmente provocadas em treinos e jogos desgastantes, tendo sempre como objetivo final à saúde e a performance do atleta.

“Apesar da quantidade de jogadores, não deixo de individualizar as ações, focando nas necessidades de cada integrante do elenco. Faço uso das avaliações físicas que a comissão técnica me entrega e monto um projeto de acordo com a condição do atleta. Eles tomam suplementos antes e depois de cada partida, além de serem pesados antes e depois do jogo”, explica Adriana.

O treinamento regular exige demandas nutricionais extras e o gasto energético é aumentado na proporção em que o exercício é realizado. Portanto, a maior contribuição da Nutrição para o futebol, é sua sustentação nos treinos, e não apenas em refeições pré-jogos, o que vem mostrar que é um trabalho que deve ser desenvolvido ao longo de toda uma temporada.

Aos interessados em fazer parte desse universo ela recomenda dedicação e atualização. “Você precisa estudar muito e ter disposição, pois a nutrição não é uma ciência exata e a cada dia os estudos mostram controvérsias. Praticar uma atividade física também é importante, para entender melhor quais são as exigências que o atleta sofre”, afirma Adriana.

Sobre a Nutricionista

Adriana Nascimento possui graduação em Nutrição pela Faculdade de Ilhéus-CESUPI, e em Serviço Social pela UNIASSELVE (2012). Especialização Nutrição Clínica Funcional e Saúde pela UNIGRAD (2017). Pós-graduanda em Nutrição Clínica com ênfase no Esporte (CESUPI), prescrição de fitoterápicos e suplementação nutricional na Nutrição Clínica e Esportiva (ESTÁCIO) e Nutrigenômica e Nutrigenética na prática clínica (UNYLEYA). Atualmente, é docente pela FAPEC-Jequié nas disciplinas relacionadas à área de Nutrição. Possui interesse em estudos na área de Nutrição Clínica, com ênfase no processo saúde-doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *